Blog

SPIRIT > Blog (Page 7)
GuiaDevOps-Blog

You need to learn about DevOps, but you do not know where to start? This is the essential DevOps guide, created especially to teach you, in less than 10 minutes, everything you need to know to participate in the next IT revolution.

1. Introduction

The creation of apps in a matter of days or hours with which we are currently used to could not be more different from the software development scenario until a few years ago. It took months to model, a few more years to develop, and the launch of a new version was celebrated with events, CEO speeches, and notes in newspapers and magazines.

The emergence of much more dynamic web services, like social networks such as FacebookFlickr, and the late Orkut, and digital businesses such as Amazon, Netflix and Uber, which focus on constant innovation, has changed this paradigm, forcing one of the biggest transformations that the industry has seen.

The development teams quickly adopted agile methods such as Scrum, allowing constant delivery of new codes, but still could not put the created versions into production at the same speed. The operations professionals, which aimed at high availability of service infrastructure, needed to create an environment of tests, to check all the infrastructure requirements and minimize any instability, increasing greatly the deploy time!

How to make the development, operations and other groups within IT to collaborate and work towards the same goal, which should always be the fast and reliable delivery of software to support the company’s business?

2. The DevOps Concept

This is where the DevOps culture comes in:

DevOps is defined as a series of software engineering practices that aim to unify the areas of development (Dev) and operations (Ops).

The term DevOps was created by Andrew Shafer and Patrick Debois in 2008 during the Agile Conference in Toronto and since 2009 has been constantly promoted through a series of events called “devopsdays” which began in Belgium and is now spread to others countries.

DevOps, therefore, is more than a methodology or a set of tools. It is true that the adoption of the DevOps culture has been possible due to the emergence of various data center automation and configuration management softwares such as Puppet, Ansible, Chef, OpenStack and OpenNebula, but only deploying them will not allow your organisation to to obtain all the benefits from the DevOps culture (after all, Unix and Linux professionals have sought automation of their tasks since the begging of the times #shellscript).

The factors that have promoted the adoption of the DevOps culture are:

  • The demand for an increase in the release rate of new software versions, coming from the business area;
  • The deployment of Scrum and other agile development processes and methods;
  • A greater focus on test automation and continuous integration methods;
  • The wide availability of virtualized infrastructure and cloud environments and
  • The broad promotion of best practices.

3. DevOps Culture Goals

DevOps, however, will be just another buzzword if it is not accompanied by a behavior change, at all hierarchical levels. Teams that adopt the DevOps culture have the following objectives:

  • To reduce the development cycle;
  • To increase the frequency of deploys;
  • To maximize the predictability and efficiency of operational processes and
  • Mainly, to align all the actions of IT groups with the business objectives of the organization.

To do this, developers, analysts and managers within DevOps teams must adopt a shared responsibility attitude, working in collaboration with other groups and valuing feedback, which allows the continuous improvement of the work processes between developers and operations and the system in deployment.

It also necessary to be understood that automation promotes collaboration, but also brings efficiency and provides more time for innovation, making IT professionals more accountable as they know their primary purpose (supporting business, remember?) and must work on the constant search for new solutions.

4. Benefits of DevOps Culture

The measurable benefits of the DevOps culture include:

  • Fast and efficient delivery of software;
  • Improved research and innovation capacity;
  • Solidification of a culture focused on performance;
  • Less risks with better products;
  • Improved customer satisfaction and
  • Reduced costs.

A survey conducted over the last six years has shown evidence that companies that adopt DevOps practices achieve significant results and perform deploys 46 times more than their competitors, make changes 440 times faster and recover from failures with 96 times greater effectiveness.

5. DevOps in Practice

In an economy that pushes more and more for companies to become scalable and agile without sacrificing reliability or performance, the DevOps culture is no longer a competitive advantage: it’s either adopting or getting lost along the way.

In the next post of the #DevOpsDNA series, which we’ll be posting next Tuesday, we’ll outline an action plan to guide you toward the adoption of the DevOps culture. Let’s see how to deploy in practice, basing ourselves on the three pillars: Continuous Integration, Continuous Deployment and Continuous Feedback.

GuiaDevOps-Blog

Você precisa aprender sobre DevOps, mas não sabe por onde começar? Este é o guia essencial DevOps, criado especialmente para ensiná-lo, em menos de 10 minutos, tudo o que você precisa saber para participar da próxima revolução da TI.

1. Introdução

A criação de apps em questão de dias ou horas com o qual estamos acostumados atualmente não poderia ser mais diferente do cenário de desenvolvimento de software até alguns anos atrás. Levava-se meses para modelar, mais alguns anos para desenvolver e o lançamento de uma nova versão era comemorado com direito a eventos, discursos do CEO e notas em jornais e revistas.

O surgimento de serviços web muito mais dinâmicos, como as redes sociais Facebook, Flickr, e o finado Orkut, e de negócios virtuais como Amazon, Netflix e Uber, que têm como foco a inovação constante, mudou esse paradigma, forçando uma das maiores transformações de TI que a indústria já viu.

A área de desenvolvimento rapidamente adotou métodos ágeis como Scrum, permitindo a entrega constante novos códigos, mas ainda assim não conseguia colocar em produção, na mesma velocidade, as versões criadas. A área de operações, que tinha como objetivo a alta disponibilidade da infraestrutura de serviços, precisava criar um ambiente de homologações, testar a infraestrutura e minimizar qualquer instabilidade, aumentando muito o tempo de deploy!

Como fazer então para que a equipe de desenvolvimento, operações e demais grupo dentro da TI, colaborem e trabalhem com o mesmo objetivo, que deve ser sempre a entrega rápida e confiável de software para apoiar os negócios da empresa?

2. O Conceito DevOps

É aqui que entra a cultura DevOps:

DevOps é definido como uma série de práticas de engenharia de software que têm como objetivo unificar as áreas de desenvolvimento (Dev) e operações (Ops).

O termo DevOps foi criado por Andrew Shafer e Patrick Debois, em 2008, durante a Conference Agile, em Toronto, e desde 2009 tem sido constantemente promovido através de uma série de eventos chamados “devopsdays” que começou na Bélgica e agora se espalhou para outros países.

DevOps, portanto, é mais do que uma metodologia ou um conjunto de ferramentas. É bem verdade que a adoção da cultura DevOps tem sido possível devido ao surgimento de várias ferramentas de automação de data centers e de gerenciamento de configuração, como o Puppet, Ansible, Chef, OpenStack e OpenNebula, mas apenas a implantação delas não permitirá que sua organização obtenha todos benefícios da cultura DevOps (até porque profissionais de Unix e Linux sempre buscaram a automatização de suas tarefas #shellscript).

Os fatores que têm promovido a adoção da cultura DevOps são:

  • A demanda por um aumento na taxa de liberação de novas versões, vinda da área de negócios;
  • A implantação do Scrum e de outros processos e métodos de desenvolvimento ágeis;
  • Um maior foco em automação de testes e métodos de integração contínua;
  • A ampla disponibilidade de infraestrutura virtualizada e nas nuvens e
  • A promoção ampla de melhores práticas.

3. Objetivos da Cultura DevOps

DevOps, no entanto, será apenas mais uma palavra da moda se não vier acompanhada de uma mudança de comportamento, em todos os níveis hierarquicos. Times que adotam a cultura DevOps têm como objetivos:

  • Reduzir o ciclo de desenvolvimento;
  • Aumentar a frequência de deploys;
  • Maximizar a previsibilidade e eficiência dos processos operacionais e
  • Principalmente, alinhar todos as ações dos grupos de TI com os objetivos de negócio da organização.

Para isso, desenvolvedores, analistas e gerentes dentro de times DevOps devem adotar uma atitude de responsabilidade compartilhada, trabalhando em colaboração com os demais grupos e valorizar feedback, o que permite a melhoria contínua dos processos de trabalho entre desenvolvedores e operações e do sistema em implantação.

Também é preciso compreender que a automação facilita colaboração, mas também traz eficiência e fornece mais tempo para inovação, tornando os profissionais de TI mais responsáveis já que conhecem o seu objetivo principal (apoiar o negócio, lembra?) e devem trabalhar na busca constante de soluções para isso.

4. Benefícios da Cultura DevOps

Os benefícios mensuráveis da cultura DevOps incluem:

  • Entrega rápida e eficaz de softwares;
  • Capacidade aprimorada de pesquisa e inovação;
  • Solidificação de uma cultura voltada ao desempenho;
  • Menos riscos com produtos de qualidade;
  • Melhoria na satisfação de seus consumidores e
  • Redução de custos.

Uma pesquisa feita nos últimos seis anos demonstrou evidências que empresas que adotam práticas DevOps obtem resultados significativos e realizam deploys 46 vezes mais que seus competidores, realizam mudanças 440 vezes mais rápido e recuperam-se de falhas com uma eficácia 96 vezes maior.

5. DevOps na Prática

Numa economia que pressiona mais do que nunca para que as empresas se tornem mais escalonáveis e mais ágeis sem sacrificar a confiabilidade ou performance, a cultura DevOps deixou de ser uma vantagem competitiva: é adotar ou ficar pelo caminho.

No próximo artigo da série #DNADevOps, que publicaremos na próxima terça-feira, vamos traçar um plano de ação para guiar você na adoção da cultura DevOps. Vamos ver como implantar na prática, baseando-nos nos três pilares: Integração Contínua, Implantação Contínua e Feedback Contínuo.

DevOpsDays São Paulo

E se você se animou e quer se aprofundar no tema, que tal participar do evento DevOpsDays, que acontecerá nos próximos dias em SP? Palestrarão nomes de peso, como Fernanda Weiden, diretora de produção do Facebook, que fazem valer o ingresso!

MichelleRibeiro-iMasters

In the interview for iMasters Magazine, our director Michelle Ribeiro talks about her cybersecurity research during her Master studies in London, how she was selected to represent the UK in a peace game in Abu Dhabi and shares some tips for those who want to follow career in this area.

In addition, Michelle comments on the centrality of the digital threats in the political debates since the last American elections, as researchers believe that other countries have influenced the voting results through fake news on Facebook, and comments on the risk for Brazil in the elections of 2018:

``This is a relevant year for cyber security in Brazil, since we will soon have a new election, which will be especially controversial. Candidates, campaign managers, and team members, as well as their family members, should consider them to be potential targets.``

ACCESS THE ARTICLE AND READ THE FULL TEXT